S

Linguagem dos bebês na primeira infância

Publicado por Luana Oliveira

A comunicação é uma habilidade fundamental para a vida humana, permitindo a conexão e a compreensão entre as pessoas. 

Já ara os bebês, a aquisição da linguagem é um marco importante em seu desenvolvimento, começando desde o nascimento e seguindo durante toda a primeira infância

Com o passar do tempo, os bebês aprendem a distinguir sons, reconhecer palavras, formar frases e expressar suas necessidades e emoções por meio da fala.

Como os bebês aprendem a linguagem

Os bebês aprendem a linguagem por meio da exposição à fala e à interação com outras pessoas. O cérebro deles está programado para reconhecer e processar os sons da fala, distinguindo entre diferentes sons da língua materna logo nos primeiros meses de vida.

Também são capazes de perceber padrões rítmicos da fala, como entonação e acento, e respondem a esses padrões com muita atenção e interesse.

À medida que crescem, os bebês começam a associar palavras com objetos, pessoas e ações, e aprendem a gramática e a estrutura da língua.

Eles também usam gestos e outras formas de comunicação não-verbal para se expressar e se comunicar antes de começarem a falar palavras completas.

Os modelos de fala são estimulados pela comunicação por meio de brincadeiras, leituras e conversas diárias, principalmente com pessoas do convívio, como pais, irmãos, avós, etc.

Etapas do desenvolvimento da fala

O desenvolvimento da fala é um processo gradual que envolve várias etapas, sendo que cada uma delas é importante para o desenvolvimento da próxima:

  • Choro e vocalizações reflexas: Essa é a primeira forma de comunicação e ocorre logo após o nascimento. O choro é uma forma de o bebê comunicar desconforto, fome ou dor, enquanto as vocalizações reflexas são sons que o bebê produz sem controle voluntário;
  • Balbucio: Entre os 2 e 4 meses de idade, começam a produzir sons como "bababa" e "dadada", como uma forma de explorar a fala e os sons da língua;
  • Jargão: Por volta dos 6 meses, inicia a fase dos "jargões", que são sequências de sílabas com entonação e ritmo semelhantes à fala, mas sem um significado específico;
  • Primeiras palavras: A partir dos 8 a 12 meses, produzem suas primeiras palavras significativas, como "mamãe", "papai" e "água";
  • Combinando palavras: Por volta dos 18 meses, combinam palavras para formar frases simples, como "dá bola" ou "quero leite";
  • Linguagem completa: Aos 3 anos, a maioria das crianças já é capaz de produzir frases completas e compreender a maioria das palavras da língua materna.

Embora o desenvolvimento da fala varie de criança para criança, a maioridade dos bebês progridem em seu próprio ritmo, na medida que recebem estímulos adequados para o desenvolvimento da linguagem.

Reconhecimento de sons da fala no útero

Os bebês começam a reconhecer sons da fala já no útero. Estudos mostram que a partir da 24ª semana de gestação, já são capazes de perceber os sons da língua materna e se familiarizar com a melodia da fala de suas mães.

Isso ocorre porque o sistema auditivo do feto começa a se desenvolver por volta da 20ª semana de gestação.

Durante a gravidez, os bebês são expostos aos sons que vêm de fora do útero, como vozes, músicas e ruídos ambientais. A voz da mãe é especialmente importante, pois é a que o bebê escuta. Alguns estudos sugerem que eles podem até mesmo reconhecer a voz do pai ou de outros membros próximas da família.

Essa exposição tem um papel importante no desenvolvimento da linguagem, pois ajuda a estabelecer conexões neurais necessárias para a percepção e produção da fala.

Os bebês nascem com um sistema auditivo completamente funcional, e a exposição pré-natal à fala contribui para se familiarizar com os sons e ritmos da língua materna, o que pode facilitar o aprendizado da linguagem após o nascimento.

Estudos sugerem que bebês que foram mais expostos à fala durante a gestação tendem a ter uma maior sensibilidade aos sons da língua materna e um maior desenvolvimento da linguagem em comparação aos que tiveram menos exposição. Além disso, pode ajudar a estabelecer as bases para a comunicação social e emociona.

Distinção entre diferentes sons e palavras

Os bebês aprendem a distinguir entre diferentes sons e palavras através de um processo de aprendizado, cujo o cérebro está programado para reconhecer e processar a linguagem, identificando diferenças subtis nos sons da fala que são importantes para a compreensão da linguagem.

Eles também usam pistas visuais, como o movimento dos lábios e da língua, para ajudar a distinguir entre diferentes sons e palavras.

Aos poucos, começam a identificar e memorizar os sons mais comuns da língua materna, e a reconhecer palavras familiares quando as ouvem, percebendo que as palavras podem ser divididas em unidades menores, como sílabas e fonemas, e a desenvolver a capacidade de distinguir entre diferentes sons de fala.

Os bebês também aprendem a associar palavras a objetos e ações, e a entender o significado das palavras por meio de experiências sensoriais e sociais.

Quando o papai ou mamão fala com eles, contribui para estabelecer associações entre as palavras e seus referentes no mundo. Esse processo começa desde o nascimento e continua ao longo dos primeiros anos de vida, à medida que os bebês desenvolvem suas habilidades linguísticas

Percepção da fala

A percepção da fala é a habilidade de identificar e interpretar os sons, essencial para o aprendizado da linguagem. Habilidade essa que envolve a capacidade de distinguir entre diferentes sons de fala e entender as diferenças significativas entre palavras e frases.

Essa habilidade começa a desenvolver logo no início da vida, quando os bebês começam a prestar atenção aos sons da fala e tentam identificar padrões e diferenças entre eles. Aos poucos, eles começam a identificar e memorizar os sons mais comuns da língua materna, e a reconhecer palavras familiares quando as ouvem.

Durante o desenvolvimento da percepção da fala, os bebês passam por diversas etapas. Inicialmente, eles são capazes de distinguir apenas sons mais contrastantes, como vogais e consoantes. À medida que seu sistema auditivo amadurece, eles se tornam mais sensíveis a diferenças sutis na pronúncia, como variações na entonação e ritmo da fala.

Tudo isso é influenciado pelas experiências linguísticas do bebê. 

Quanto maior a exposição a diferentes línguas desde cedo, por exemplo, tendem a ter uma percepção mais aguçada de diferenças de pronúncia entre elas. A qualidade e quantidade de interações sociais e linguísticas também influenciam o desenvolvimento da percepção da fala.

Papel dos papais no desenvolvimento da linguagem dos bebês

Os pais, ou qualquer pessoa que exerça a função de cuidar do bebê, desempenham um papel fundamental neste processo, pois são neles que os bebês mais focam a atenção atenção nas vozes e nos rostos. Ao responder a sons e gestos, nomear objetos e descrever eventos, contribuem para que eles aprendem ainda mais.

Além disso, ler livros, cantar canções, contar histórias e conversar com o bebê em diferentes situações e contextos, criará novos e bons estimulos para acelerar e qualificar ainda mais o desenvolvimento.

Falando claramente e enfatizando sons e entonações, também pode ajudar os bebês a distinguir entre diferentes sons da fala e a entender melhor as palavras e frases.

Ajudando os bebês a adquirir novas habilidades linguísticas

Existem várias maneiras pelas quais os pais podem ajudar os bebês a adquirir novas habilidades linguísticas. Algumas dicas incluem:

  • Falar claramente e enfatizar sons e entonações: Isso pode ajudar a distinguir entre diferentes sons da fala e a entender melhor as palavras e frases
  • Nomear objetos: ajudam oa associar palavras com objetos e a entender o significado das palavras;
    Ler livros e contar histórias: ajuda a desenvolver sua compreensão da linguagem, aumentar o vocabulário e estimular a imaginação
  • Cantar canções: contribui para desenvolver habilidades linguísticas, como a percepção de ritmo, entonação e melodia, além de ajudá-los a memorizar palavras e frases
  • Conversar com o bebê: desenvolve sua compreensão da linguagem, fornecendo-lhe uma variedade de experiências linguísticas
  • Elogios e sorrisos: sempre que o bebê tenta se comunicar ou pronunciar novas palavras, pode ajudar a motivá-lo a continuar aprendendo e desenvolvendo suas habilidades linguísticas
  • Estimular o contato visual: Manter o contato visual com o bebê durante as interações pode ajudar a fortalecer o vínculo entre o bebê e os pais, além de ajudá-lo a aprender a interpretar as expressões faciais e gestos do cuidador.

O uso do "balbucio" e "jargão”

Os bebês usam o "balbucio" e o "jargão" como uma forma de praticar a produção de sons e experimentar diferentes padrões e entonações da fala.

Eles ainda estão desenvolvendo as habilidades motoras necessárias para produzir palavras completas e frases, então começam com sons simples que eles podem facilmente produzir.

O balbucio é caracterizado por sons repetitivos, como "bababa" e "dadada", enquanto o jargão é uma mistura de sons e sílabas que parecem uma linguagem real, mas não têm significado.

À medida que os bebês continuam a praticar e desenvolver suas habilidades motoras, eles começam a juntar sons em palavras e, eventualmente, em frases completas.

Eles estão ouvindo e processando a fala ao seu redor desde o nascimento, e o balbucio e o jargão são uma forma de tentar imitar o que ouvem. Com o tempo, eles começam a associar palavras a objetos e aprendem a produzir para que se tornem compreensíveis para os outros.

Associação de palavras com objetos, pessoas e ações

Os bebês começam a associar palavras com objetos, pessoas e ações desde o nascimento, por meio da exposição à linguagem falada pelos pais, familiares e pessoas ao seu redor.

Os bebês são capazes de reconhecer e distinguir os sons da fala, e preferem a voz humana a outros sons.

Nos primeiros meses de vida, são capazes de distinguir entre sons de diferentes idiomas, mas gradualmente começam a se concentrar mais nos sons do idioma que estão sendo expostos regularmente.

Eles também começam a reconhecer palavras específicas que são repetidas com frequência, como seus nomes, nomes de familiares e objetos familiares, como "mamãe", "papai", "brinquedo", "água" e "leite".

À medida que crescem e começam a entender que as palavras são usadas para comunicar significados, eles começam a associar palavras com objetos, pessoas e ações específicas. 

Com o tempo os bebês começam a entender a relação entre palavras e contexto. Por exemplo, se um bebê ouve a palavra "bolo" quando alguém está segurando um pedaço de bolo, ele começa a entender que está relacionada ao objeto em questão.

À medida que adquirem mais experiência com a linguagem e constroem seu vocabulário, eles começam a entender que as palavras podem ser usadas em diferentes contextos e que o mesmo objeto ou ação pode ser descrito de maneiras diferentes.

Desenvolvimento da memória

O desenvolvimento da linguagem e a associação de palavras com objetos, pessoas e ações estão intimamente ligados ao desenvolvimento da memória em bebês e crianças.

À medida que eles começam a aprender palavras e associá-las a objetos e ações, eles estão construindo suas memórias verbais que, nada mais é do que forma de memória de longo prazo é usada para lembrar informações verbais, como palavras, frases e histórias.

Conforme aprendem novas palavras, eles estão construindo uma rede de conexões neurais que os ajudarão a lembrar e recuperar essas palavras posteriormente. A repetição e a exposição a essas palavras ajudam a fortalecer essas conexões e a consolidação da memória.

A memória visual também desempenha um papel importante no desenvolvimento da linguagem e da associação de palavras, pois eles começam a associar palavras com objetos e ações específicas.

Essas memórias visuais ajudam os bebês a reconhecer e identificar objetos e ações, mesmo que as palavras ainda não estejam disponíveis para descrevê-los.

A memória também é fundamental para o desenvolvimento da linguagem, pois permite que os bebês e as crianças lembrem e utilizem palavras e frases aprendidas anteriormente para se comunicar e construir seu vocabulário.

O desenvolvimento da memória é, portanto, um componente fundamental do desenvolvimento da linguagem e da comunicação em bebês e crianças.

Importância dos gestos e da linguagem não-verbal para o desenvolvimento da fala

Os gestos e a linguagem não-verbal são importantes para o desenvolvimento da fala em bebês e crianças por várias razões:

  • Ajudam a estabelecer a conexão entre as palavras e os objetos ou ações: Quando os adultos usam gestos para acompanhar suas palavras, isso ajuda a chamar a atenção dos bebês para os objetos e as ações que estão sendo descritos. Isso ajuda os bebês a associar as palavras com os objetos e ações corretos, facilitando o desenvolvimento da linguagem
  • Facilitam a comunicação antes da fala: Os gestos e a linguagem não-verbal permitem que bebês e crianças se comuniquem antes de adquirir plenamente a habilidade da fala. Eles podem usar gestos simples, como apontar ou acenar, para expressar suas necessidades e desejos, o que pode reduzir a frustração e o choro associados à comunicação limitada
  • Reforçam a aprendizagem da língua: Os gestos e a linguagem não-verbal podem ajudar a reforçar a aprendizagem da língua. Quando um adulto usa um gesto para acompanhar uma palavra, isso ajuda a fortalecer a associação entre a palavra e o objeto ou ação correspondente na mente do bebê
  • Permitem uma comunicação mais rica e expressiva: A linguagem não-verbal também permite que os bebês e as crianças se comuniquem de maneira mais rica e expressiva. Eles podem usar gestos para enfatizar suas palavras, demonstrar entusiasmo ou expressar emoções.

A maneira como os bebês usam esses recursos para se comunicar

Bebês usam uma variedade de recursos para se comunicar, incluindo gestos, expressões faciais, sons, balbucios e linguagem corporal.

Desde o nascimento, estão equipados com habilidades que lhes permitem se comunicar com os adultos, mesmo antes de adquirirem plenamente a habilidade da fala, como, por exemplo, gestos simples, como apontar para objetos ou fazer movimentos com as mãos para expressar suas necessidades e desejos.

Eles também podem usar expressões faciais para demonstrar emoções, como sorrir quando estão felizes ou chorar quando estão com fome ou desconfortáveis. Durante os primeiros meses de vida, emitem uma variedade de sons, desde choro e resmungos até risos e gargalhadas. 

A linguagem corporal também é uma parte importante da comunicação dos bebês. Eles podem fazer movimentos com as mãos e os braços, mover as pernas e o corpo e mudar a postura para expressar emoções e necessidades.

A exposição a mais de um idioma na primeira infância pode afetar o desenvolvimento da linguagem

Os efeitos da exposição a múltiplos idiomas podem variar dependendo de vários fatores, como o contexto em que as línguas são usadas, a quantidade e qualidade da exposição e as habilidades linguísticas dos cuidadores.

Em geral, a exposição a mais de um idioma pode ter efeitos positivos e negativos no desenvolvimento da linguagem, dependendo de como é feita. Aqui estão alguns exemplos:

  • Atrasos no desenvolvimento da fala: Quando as crianças são expostas a mais de um idioma ao mesmo tempo, pode levar mais tempo para que elas adquiram plenamente as habilidades da fala em cada um dos idiomas. Isso ocorre porque as crianças precisam dividir seu tempo e atenção entre as duas línguas, o que pode resultar em atrasos no desenvolvimento da fala
  • Benefícios cognitivos: Por outro lado, estudos sugerem que a exposição a mais de um idioma desde a infância pode ter benefícios cognitivos. Por exemplo, as crianças que crescem aprendendo duas ou mais línguas desde cedo têm uma maior capacidade de resolução de problemas, maior flexibilidade cognitiva e melhor desempenho em tarefas que exigem controle executivo
  • Melhora a habilidade de aprendizado de novos idiomas: A exposição a mais de um idioma desde a infância também pode ajudar as crianças a aprender novos idiomas com mais facilidade no futuro. Isso ocorre porque as crianças que crescem aprendendo mais de uma língua desenvolvem uma maior sensibilidade para sons, regras gramaticais e estruturas linguísticas, o que as torna mais proficientes em aprender novos idiomas.

Como os bebês aprendem a gramática da língua

De forma natural e intuitiva, sem instrução formal ou consciente sobre as regras gramaticais. Esse processo é conhecido como aquisição da linguagem.

A aquisição da gramática começa logo nos primeiros meses de vida, quando os bebês começam a reconhecer padrões sonoros da língua que estão ouvindo. Eles identificam as unidades sonoras básicas da língua, os fonemas e as diferenças entre eles.

Conforme produzem sons e palavras, aprendem a estrutura da língua e as regras gramaticai, entendemdo a diferença entre as palavras como, por exemplo, "gato" e "gata" se referem a animais distintos. Além disso, entendem que a ordem das palavras na frase é importante para o seu significado.

Eles observam os adultos falando e interagindo com eles e, com o tempo, começam a imitar esses padrões linguísticos. A correção que os pais fazem, mesmo que indiretamente, sorrindo ou fazendo interejeições, os ajudam a aprimorar sua compreensão.

A aquisição da gramática é facilitada por habilidades inatas do cérebro humano, como a capacidade de reconhecer padrões e estruturas complexas e de aplicar regras e princípios a novas situações.

Essas habilidades são consideradas como parte da "gramática universal", uma teoria proposta pelo linguista Noam Chomsky.

Habilidades que os bebês desenvolvem para formar frases e entender a estrutura da linguagem

Durante a aquisição da linguagem, os bebês desenvolvem uma série de habilidades que lhes permitem formar frases e entender a estrutura da linguagem. Algumas dessas habilidades incluem:

  • Identificação de palavras: os bebês aprendem a identificar palavras individuais em uma sequência de sons e a reconhecer a diferença entre palavras e outros sons
  • Compreensão de frases: os bebês começam a entender a relação entre as palavras em uma frase e a compreender o significado da mensagem geral
  • Conhecimento de gramática: os bebês aprendem a estrutura básica da gramática, como a ordem das palavras em uma frase e a concordância entre sujeito e verbo
  • Produção de frases: à medida que os bebês aprendem mais palavras e estruturas gramaticais, eles começam a produzir suas próprias frases
  • Uso de expressões linguísticas: os bebês aprendem a usar expressões linguísticas, como perguntas, respostas, comandos e afirmações para se comunicar com os outros
  • Habilidade de entender a intenção comunicativa: os bebês desenvolvem a habilidade de entender a intenção comunicativa dos falantes e reconhecer as diferentes formas que a linguagem pode ser usada, como para informar, perguntar, convencer ou expressar emoções.

A importância em estimular a linguagem dos bebês desde cedo

Estimular a linguagem dos bebês desde cedo é importante por diversas razões:

  • Comunicação: A linguagem é a principal forma de comunicação humana, e quanto mais cedo os bebês começarem a desenvolver suas habilidades linguísticas, mais fácil será para eles se comunicar com os outros e expressar suas necessidades e desejos
  • Desenvolvimento cognitivo: A aquisição da linguagem está fortemente ligada ao desenvolvimento cognitivo dos bebês. Ao aprender novas palavras, conceitos e estruturas gramaticais, os bebês estão expandindo sua compreensão do mundo e desenvolvendo habilidades importantes, como a atenção, a memória e a resolução de problemas
  • Desenvolvimento social: A linguagem é uma habilidade social, e a capacidade de se comunicar efetivamente é fundamental para o desenvolvimento de relacionamentos saudáveis ​​e significativos com outras pessoas
  • Desenvolvimento acadêmico: A linguagem é uma habilidade fundamental para o sucesso acadêmico posterior. Crianças que começam a desenvolver suas habilidades linguísticas mais cedo têm mais facilidade para aprender a ler e escrever, e geralmente apresentam um desempenho melhor na escola
  • Autoestima: Quando os bebês são capazes de se comunicar efetivamente e são compreendidos pelos outros, isso pode ajudá-los a desenvolver uma autoestima saudável e a sentir-se mais confiantes em suas interações sociais.

Benefícios a longo prazo do desenvolvimento adequado da fala na primeira infância

  • Melhor desempenho escolar: Crianças que têm uma base sólida na linguagem desde cedo tendem a ter um desempenho melhor na escola em áreas como leitura, escrita e habilidades matemáticas
  • Habilidades sociais e emocionais mais fortes: Crianças que têm uma boa compreensão da linguagem e são capazes de se comunicar efetivamente tendem a ter habilidades sociais e emocionais mais fortes, o que as ajuda a desenvolver relacionamentos mais positivos com seus pares e adultos
  • Melhor autoestima: Crianças que têm a habilidade de se comunicar efetivamente e serem compreendidas pelos outros tendem a ter uma autoestima mais saudável e uma visão positiva de si mesmas
  • Habilidades de resolução de problemas mais fortes: Aprender a linguagem é um processo complexo que requer que as crianças usem suas habilidades cognitivas e de resolução de problemas. Crianças que têm uma boa base na linguagem desde cedo tendem a ter habilidades mais fortes de resolução de problemas
  • Maior probabilidade de sucesso acadêmico e profissional: Crianças que têm um bom desenvolvimento da linguagem na primeira infância tendem a ter maior probabilidade de sucesso acadêmico e profissional a longo prazo.

Considerações finais

Em resumo, o desenvolvimento adequado da fala na primeira infância é fundamental para o sucesso da criança em vários aspectos da vida. Por isso, é importante fornecer às crianças um ambiente rico em linguagem e interação social desde cedo.